Notícias

Meio Ambiente

Inovador e inédito no Brasil, Ativo Verde une economia à responsabilidade socioambiental

Data5 julho 2021

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Ferramenta possibilita restauração e compensação do meio ambiente unido ao crescimento socioeconômico 

O estado de São Paulo, conhecido por ser a locomotiva do Brasil e também um dos maiores parques industriais da América Latina, ganhou uma nova e importante etapa na restauração e compensação ambiental, que vai abranger 425 municípios. Trata-se do Ativo Verde, ferramenta que possibilita o cadastro de propostas com o objetivo de gerar ativos ou créditos ambientais, que poderão ser utilizados para o cumprimento de obrigações de restauração florestal.

Em outras palavras, um empreendedor que precise fazer a compensação ambiental devido a construção de um complexo industrial, poderá realizar esse processo com o plantio de espécies da Mata Atlântica ou do Cerrado, contratando projetos que já foram previamente aprovados e estão em andamento ou até mesmo finalizados, abatendo de imediato as suas obrigações.

“Esse tipo de programa ainda não existe no Brasil e é uma ferramenta inovadora que estamos ajudando a implementar no estado de São Paulo. Contribuímos assim com um desenvolvimento sustentável, com geração de emprego e renda de maneira responsável”, afirma Antonio Borges, CEO da PlantVerd, startup que opera na execução de serviços ambientais para a recuperação de áreas degradadas em todo o país.

Eleito uma das 100 pessoas mais influentes mundiais na área ambiental, e entre os 50 brasileiros mais influentes na categoria “visionários”, o executivo conta que o Ativo Verde também pode ser utilizado por aqueles que, voluntariamente, querem ajudar o meio ambiente.

Ou seja, empresas, pessoas físicas e organizações poderão transformar a restauração em um investimento com retorno econômico e de responsabilidade socioambiental. “Temos áreas já restauradas, estão prontas, e assim os empreendedores públicos ou privados passam a cumprir seus compromissos ambientais com a imediata desoneração dos passivos”, completa. Isso também traz mais segurança, já que evita os riscos iniciais de recomposição vegetal nativa como problemas na execução, incêndios e demora no processo de recuperação da área.

A ferramenta, que faz parte do Programa Nascentes, do Governo do Estado de São Paulo, permite também a conversão de multas administrativas em serviços para projetos de restauração, que já somam R$ 75 milhões. A PlantVerd foi a primeira empresa a ter um projeto do Ativo Verde aprovado, com o “Reflorestamento 3.0 Piracaia”, que tem 6,95 hectares e está localizado em área prioritária para o abastecimento hídrico nos municípios de Piracaia e Joanópolis, em uma região que não possui potencial de regeneração natural, e o projeto PE do Aguapeí’, localizado no Parque Estadual Aguapeí, em Nova Independência. A Unidade de Conservação terá 24,32 hectares restaurados na Bacia Hidrográfica Aguapeí-Peixe.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade