Notícias

Agro

Terra Nascente Fertilizantes aposta em fertilizante orgânico para enfrentar crise hídrica

Data29 setembro 2021

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Papel do fertilizante orgânico é amenizar os danos causados pela seca nas plantações, retendo mais umidade e acumulando maior quantidade de nutrientes nas plantas

A crise hídrica no Brasil atinge importantes regiões produtoras de alimentos que já sentem na agricultura e no manejo de animais, os impactos da seca, como expectativa de diminuição da colheita, prejuízo no desenvolvimento dos frutos e qualidade das pastagens. E é claro que as consequências de tudo isso já estão atingindo o bolso do consumidor, juntamente com o aumento do custo da energia, que pode intensificar a inflação e afetar a retomada da economia brasileira.

“A agricultura está passando, pelos últimos dois anos consecutivos, por grandes desafios e os impactos terão repercussões ainda no próximo ano”, observa Rafael de Melo Sousa, Engenheiro Agrônomo e Gestor de Operações Fertilizantes da Terra Nascente Fertilizantes, uma das empresas do Grupo Katayama. “O problema da seca não é de hoje, e o solo, que é a base para reter nutrientes e água, já está deficitário. A situação só tem se agravado nos últimos tempos. Antes da seca, veio a geada e agora as queimadas, com o fogo devastando tudo em algumas regiões, acrescenta Rafael”.

Diante deste cenário, abre-se uma oportunidade para o aumento do uso do fertilizante orgânico na agricultura, com o objetivo de melhorar as condições do solo, reduzindo os impactos da falta de chuva. De acordo com o Engenheiro Agrônomo, a matéria orgânica de boa qualidade é capaz de reter mais umidade e acumular mais nutrientes, promovendo uma condição mais propícia ao solo ou à planta para suportar por mais tempo esse período de seca prolongado e de estresse hídrico.

“Além disso, o fertilizante orgânico pode reduzir a necessidade da fertilização mineral em 20 a 30%, insumo importado em grande escala, cujo preço é fortemente impactado pela cotação do dólar. Concomitantemente, há a parte microbiológica, isto é, o fertilizante orgânico contribui para que a planta tenha um melhor desenvolvimento radicular. Se a raiz da planta cresce mais, ela explora maior extensão de área e, consequentemente, absorve também mais água”, acrescenta Rafael.

A produção de fertilizantes orgânicos tem outra importante contribuição à preservação do meio ambiente que é evitar a emissão de gases de efeito estufa. No caso da Terra Nascente Fertilizantes, estima-se que para cada tonelada produzida de fertilizantes, evita-se a emissão de cerca de 970 kg de CO2 na atmosfera.

Crescimento do segmento de fertilizantes orgânicos

Com o reconhecimento cada vez maior de que o fertilizante orgânico melhora as condições do solo e ainda possui preços competitivos em relação aos produtos que sofrem os impactos da oscilação do dólar, observa-se a evolução do mercado de fertilizantes especiais (adubos com formulações diferenciadas, desenvolvidas para atender necessidades específicas da produção de uma determinada cultura).

Dados do Anuário Brasileiro de Tecnologia em Nutrição Vegetal 2021, publicação da Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo), demonstra que o mercado de fertilizantes especiais faturou no ano passado mais de R$ 10 bilhões, um aumento de 41,8% em relação aos R$ 7,1 bilhões de 2019.

Ainda de acordo com o levantamento, o segmento de fertilizantes minerais cresceu 31,89%, fechando com faturamento de R$ 7,56 bilhões, seguido pelos fertilizantes organominerais, com R$ 1,96 bilhão (alta de 80,5%) e orgânicos, com R$ 615 milhões (alta de 90,1%).

Os números da Terra Nascente Fertilizantes confirmam esta tendência de alta dos fertilizantes orgânicos. Perto de completar dois anos de operações, a empresa comercializou, neste primeiro semestre, praticamente o dobro de matéria orgânica pura em relação ao mesmo período de 2020, ampliando sua área de atuação.

O crescimento foi de aproximadamente 50% em relação ao primeiro semestre do ano passado, tanto em volume produzido como em faturamento. “Precisamos incentivar os produtores e empresas que trabalham com produtos e serviços agrícolas a aumentar a eficiência do uso da água neste momento crítico para colher melhores resultados”, pontua o gestor da Terra Nascente Fertilizantes.

Perfil Terra Nascente Fertilizantes

A Terra Nascente Fertilizantes faz parte do Grupo Katayama, com quase 80 anos de história, que também atua nos segmentos avícola e de pecuária. Alinhada aos preceitos de sustentabilidade e responsabilidade ambiental do Grupo Katayama, a Terra Nascente Fertilizantes foi fundada em 2019 com objetivo de promover a destinação correta do esterco das galinhas poedeiras da Katayama Alimentos, uma das principais indústrias avícolas do país.

Em 2020 obteve o Título Verde (Green Bond) para os investimentos realizados na planta de fertilizantes orgânicos, graças à sua contribuição para a conservação do meio ambiente, clima e desenvolvimento sustentável. A produção do fertilizante orgânico oferece benefícios ambientais tangíveis, como evitar a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera.

Dispondo de uma estrutura de ponta, a Terra Nascente Fertilizantes transforma o esterco em um fertilizante orgânico de alta qualidade, o TN Organic Multi, destinado à melhoria da qualidade dos solos e ao aumento da produtividade das culturas, inserindo-se no conceito de economia circular. Todo o processo de compostagem é rastreado e controlado, desde a entrada dos insumos até a comercialização dos lotes dos fertilizantes, não ocorrendo geração de chorume, odores desagradáveis, atratividade de vetores e geração de gases de efeito estufa.

A planta, licenciada pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e com registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), ocupa uma área coberta e pavimentada de 26.400 m2, em Guararapes (SP), com capacidade de produzir 144 mil toneladas/ano.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade