- Jornal EntrePosto - https://www.jornalentreposto.com.br -

Preços de fertilizantes devem se manter mais baixos em 2024

Especialista alerta, no entanto, para os possíveis reflexos das guerras e das mudanças climáticas nessa soma. No Brasil, 2023 foi um ano de alta na demanda do setor, principalmente pelo crescimento da safra

A demanda por estruturas flexíveis para armazenar fertilizantes vem crescendo ano após ano. Se em 2022 o cenário era de formação de estoques de segurança maior, por preocupação com os possíveis reflexos da Guerra da Ucrânia, em 2023 o aquecimento do mercado foi impulsionado pelo próprio aumento das safras agrícolas, que batem recordes ano após ano no Brasil. Uma das formas mais rápidas e menos custosas de lidar com as necessidades variáveis do setor, é investir em infraestrutura flexível.

A Tópico, líder no mercado nacional de galpões de lona e zinco há mais de 40 anos, que conta com grandes projetos para o setor, tanto no Porto de Antonina quanto no de Paranaguá, conta que a guerra na Europa acabou gerando menos impacto do que se esperava, o que contribuiu para que os patamares de preços dos fertilizantes diminuíssem drasticamente em 2023, e as estimativas apontam manutenção ou mesmo alguma queda para 2024.

Uma questão que tem sido levantada, porém, é o possível impacto da guerra em Israel, já que o país é um importante player do segmento. O Brasil importou cerca de U$ 1,4 bilhão em fertilizantes, defensivos e sementes de Israel em 2022, o que corresponde a 9% de todo cloreto de potássio adquirido no ano e 11% do fosfato diamônico (DAP).

Sergio Gallucci Parisi, Diretor Comercial e de Marketing da Tópico, afirma que até o momento não houve impactos nas importações vindas de Israel por conta da guerra, mas os efeitos do conflito podem ser até mais amplos que a movimentação do produto em si.

“O Oriente Médio tem um papel chave no preço do petróleo, e um conflito na região pode impactar a oferta desta commodity, pressionando a cadeia logística e os preços de transporte marítimo, por exemplo, que compõe os custos do produto final colocado no destino”, comenta.

No entanto, de acordo com o especialista, as guerras em curso, apesar de relevantes na formação de preços, são um dos inúmeros fatores que regulam o valor das commodities. Outros, como a demanda e safras em outras regiões, também devem ser levados em consideração. 

“Seguiremos crescendo junto com o setor, onde somos parceiros dos principais players relevantes na cadeia, sejam os misturadores, os operadores portuários, logísticos e produtores. O setor agrícola ainda deve seguir crescendo no Brasil, mas os fatores climáticos – marcadamente os efeitos do El Niño – não podem ser desconsiderados no impacto da produção e consumo de insumos”, finaliza.