- Jornal EntrePosto - https://www.jornalentreposto.com.br -

Operadoras virtuais vão ajudar a expandir os serviços móveis de conectividade no campo

O ano de 2024 mal começou, e os movimentos de transformação nos segmentos de telecomunicações e internet das coisas (IoT) já ganham evidência. Bom para o Brasil e para uma gama imensa de usuários de serviços suportados em conectividade. As tecnologias que se fazem possíveis a partir dela, têm grande potencial de proporcionar crescimento e transformação social, alcançando o setor primário – por exemplo, conectando as lavouras e equipamentos, como pivôs de irrigação, plantadeiras, colheitadeiras, caminhões entre outros. Também é possível conectar o setor secundário (indústria 4.0) e os serviços de mobilidade urbana.

Fora do Brasil, o IoT é um segmento que movimenta 200 bilhões de dólares anualmente e que vem crescendo a taxas de 20% ano a ano. Ao analisar os detalhes, a projeção de crescimento aponta para um percentual médio de 22% para os próximos 10 anos e com valores anuais atuais já na ordem de 250 bilhões de dólares/ano – segundo o IoT Analytics. No Brasil, a Agência Nacional das Telecomunicações (Anatel) vem estimulando a criação de operadoras virtuais (MVNO), seja para complementar a entrega das operadoras tradicionais Tim, Vivo, Claro, que são chamadas de MNO (Mobile Network Operators), seja para expandir os serviços móveis de conectividade, a partir do compartilhamento de rede com as MNO.

Essa ação da Anatel certamente ampliará a oferta de conectividade no país e vai possibilitar o surgimento de novos modelos de venda de produtos e serviços. As MVNOs poderão desenvolver novos arranjos econômicos e técnicos, promovendo disrupção de modelos e práticas vigentes, criando novos nichos de mercado e oportunidades. Estas operações serão essenciais para o futuro do IoT no Brasil e como reflexo disto temos a profissionalização dos players.

Na vanguarda deste movimento está a Virtueyes, de Novo Hamburgo/RS, que atualmente é representante MVNO Vivo dedicada ao IoT. Mais recentemente a empresa celebrou contrato de MVNO Autorizada (full MVNO) com a Claro ampliando a oferta de conectividade.

Destaque no mercado

De acordo com Taize Wessner, presidente da empresa, a Virtueyes que tem crescido anualmente a taxas superiores à média do segmento, tem o objetivo de construir soluções que proporcionam uma melhor experiência de conectividade, com ostensivo suporte especializado em IoT. “Com estas parcerias, estamos lançando no mercado uma MVNO focada exclusivamente ao IoT, com serviços e plataformas que vão impulsionar significativamente a transformação digital das empresas do Brasil e do exterior”, comenta.

Atualmente, a marca está presente em todos os estados brasileiros, e possui uma base de clientes superior a 1.500 empresas, distribuídas na América Latina. Suas linhas de negócio abrangem desde rastreamento veicular, agronegócio, utilities, monitoramento e segurança, até soluções de cidades inteligentes e indústria 4.0, totalizando mais de um milhão de dispositivos conectados e cerca de dez milhões de conexões diárias.

Mudanças para impulsionar o crescimento

Com o foco em estruturar seu crescimento, a Virtueyes recentemente atualizou seu quadro de executivos e conselheiros, buscando adicionar novas habilidades para participar do audacioso plano de crescimento previsto para este mercado em 2024/25.

Chega para compor o time, como membro do conselho, Renato Friedrich, com mais de 25 anos atuando como CFO, conselheiro de administração e RI (Relações com investidores). Friedrich coordenou IPOs no Brasil (Bovespa) e EUA (Nasdaq). Atuou em diversos grupos empresariais e em processos de governança.

Da mesma forma, Fred Arruda, especialista em inovação, aceleração de startups e gestão de pessoas. É membro da comunidade ESG do IBGC e do Grupo de Inovação e Startups da ABC3 – Associação Brasileira de Conselheiros Consultivos Certificados. É formado em Ciência da Computação, tem MBA empresarial pela Fundação Dom Cabral, além de pós-graduações em Marketing (Finanças (IBMEC) e engenharia de petróleo e gás (COPPE/UFRJ) e formação de conselheiros pelo IBGC.

Como membro do conselho e responsável pela área de desenvolvimento humano e organizacional, Pompeo Scola. Consultor empresarial desde 1983, desenvolveu projetos em diferentes países, inclusive como VP de Desenvolvimento Organizacional e de recursos humanos no Buscapé. Atualmente, além da participação em conselhos, dá apoio à aceleração de startups ligadas ao Agronegócio através da Cyklo Agritech. É psicólogo formado pela FMU/SP, tecnólogo em processamento de dados e computação pelo LICEU/SP e fez formação de conselheiro pelo IBGC.

As mudanças terminam com o ingresso de Tércio Konig, para diretor financeiro. O executivo está há 20 anos atuando em finanças e controladoria. Teve oportunidade de participar de processos de M&A, IPOs e Valuation, assim como de Internacionalização e captação de recursos em bancos nacionais e internacionais. Graduado em Ciências Contábeis pela PUCRS, tem pós-graduação em Engenharia de Custos pelo Mackenzie e em Gestão Empresarial pela Educon. Seu MBA foi em IFRS – Normas Internacionais de Contabilidade pela FIPECAFI/SP.