Notícias

Agro

Lagartas causam danos às pastagens no Oeste de São Paulo

Data11 fevereiro 2022

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Embora a incidência do problema seja no interior paulista, pastagens de todo o País também correm risco

Velhas conhecidas dos pecuaristas brasileiros, as lagartas voltam a tirar o sono dos produtores na região Oeste do estado de São Paulo. Essas pragas estão atacando e “comendo” o pasto que serviria de alimento, principalmente para o gado. A causa, segundo o zootecnista da Soesp – Sementes Oeste Paulista, doutor em forragicultura, Diogo Rodrigues, é o período de chuvas iniciado em janeiro, que proporciona condições ideais para a rápida multiplicação da praga.

As lagartas são consideradas pragas ocasionais em pastagens, mas quando estão em altos níveis populacionais têm o potencial de reduzir a quantidade de forragem disponível. Segundo o especialista, o estabelecimento do pasto é o momento mais afetado pelos ataques. “Por isso é importante estar atento às áreas de pastagens, pois a rápida identificação da praga lhe permitirá um controle mais eficiente e evitará futuros danos econômicos à atividade”, explica Diogo.

As vilãs

No Brasil, as duas espécies responsáveis pelos ataques são a Lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) e a Curuquerê-dos-capinzais (Mocis latipes). A primeira, também conhecida como lagarta militar, tem ciclo biológico que compreende quatro fases: ovo, lagarta, pupa e adulto. Em média, essa espécie precisa de três dias para a incubação dos ovos, gerando lagartas. Esta fase dura de 16 a 20 dias e é quando ocorrem os maiores danos. “Mas, à medida que se desenvolvem, passam a consumir as folhas a partir das bordas para o centro, destruindo-as por inteiro e causando grandes prejuízos”, aponta Rodrigues.

Já a Curuquerê-dos-capinzais se diferencia facilmente por causa da sua locomoção, levantando o dorso como se estivesse “medindo palmos”. Seus ovos são colocados sobre as folhas, com a eclosão das lagartas ocorrendo após um período de 7 a 12 dias. A fase larval dura cerca de 25 dias.

Para o zootecnista, o fator mais importante com relação ao monitoramento das áreas é entender que os ataques ocorrem tanto no momento do estabelecimento das pastagens quanto naquelas já estabelecidas; mas é quando atacam no estabelecimento, ou seja, nos primeiros dias da germinação, que o prejuízo pode ser bastante grande. Por isso, o cuidado nessas áreas deve ser maior.

Outro ponto importante, segundo o profissional, é que se uma lavoura vizinha da pastagem for composta por capim resistente ao ataque das lagartas, “elas podem migrar para o pasto, e não escolhem entre panicum ou brachiaria, causam sérios danos às duas variedades”. Vale lembrar, ainda, que ataques de lagartas também podem ocorrer em lavouras como milho.

 Rapidez é importante

Ao eclodirem os ovos na pastagem, as lagartas, sejam de qual espécie for, já começam a consumir a folha de capim até completar seu crescimento. Estudos indicam que cada uma delas consome em média 14 mil mm² de folha de capim até a fase adulta. “Por isso, é muito importante monitorar o pasto, principalmente se as sementes de pastagem estiverem germinadas há poucos dias, e ficar de olho nas mariposas adultas – afinal, serão elas as responsáveis por depositar os ovos”, explica Rodrigues.

Esse monitoramento das mariposas também pode ser feito com armadilhas de luz negra ou de feromônio, assim o tempo para agir é maior (depois de percebido um aumento populacional de mariposas). “Se perceber aumento no número de mariposas, espera-se que ocorra um aumento na população de lagartas no campo 2 a 3 semanas depois, possibilitando fazer o controle”, finaliza o profissional da Soesp.

De maneira geral, a quantidade de 50 a 100 lagartas por metro quadrado já justifica o início das operações de controle. De forma biológica, produtos microbianos à base de Bacillus thuringiensis são utilizados para o controle de Curuquerê-dos-capinzais. Há ainda outros testes que utilizam fungos como Beauveria bassiana, que em experimento conduzido se mostrou eficaz.

Quimicamente, para a Lagarta-do-cartucho (do milho), o controle deve ser à base de fosforados, clorofosforados, carbamatos e piretroides, entre outros. Para mariposas pode ser usada isca preparada com 1 kg de melaço, 10 litros de água e 25 gramas de metomil.

Com a Curuquerê-dos-capinzais, o controle feito para as ninfas pode ser feito usando thiamethoxam ou carbofuran granulados, aplicados de um dos lados da touceira. Já para adultos é recomendada a aplicação de um inseticida seletivo que não atinja inimigos naturais da cigarrinha, como carbaril, triclorfon e malation. Sempre consulte um profissional para a aplicação e manuseio correto destes materiais.

Soesp – A Sementes Oeste Paulista está sediada em Presidente Prudente (SP) e há 36 anos atua no mercado oferecendo sementes de pastagem. Sua matriz conta com infraestrutura voltada à produção, beneficiamento, comercialização e desenvolvimento de novas tecnologias, tanto para pecuária como para agricultura de baixo carbono. A empresa desenvolveu a tecnologia Soesp Advanced, uma semente diferenciada no mercado, que traz diversos benefícios no plantio e estabelecimento do pasto, além de se adequar perfeitamente ao sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).

VEJA TAMBÉM...

Publicidade