- Jornal EntrePosto - https://www.jornalentreposto.com.br -

JE entrevista Coronel Mello – Diretor-Presidente da Ceagesp

Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, já foi comandante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA).
Ele possui mestrado na área de Ciências Policiais e Segurança Pública pelo Centro de Altos Estudos de Segurança Cel. PM Nelson Freire Terra, graduação em Escola de Educação Física da Polícia Militar – Polícia Militar do Estado de São Paulo, especialização em Fisiologia do Exercício, pela Universidade de São Paulo (USP), graduação em Direito – Faculdades Integradas de Guarulhos e graduação em Academia do Barro Branco – Polícia Militar do Estado de São Paulo.

JE – Fala um pouco da carreira e como isso pode agregar, hoje, na administração da Ceagesp?
Coronel Mello –
Eu sou policial militar, há 33 anos, entrei na polícia, em 1987, na PM, eu ocupei de alguns cargos que me sinto mais à vontade para estar numa função mais difícil como esta. Eu cheguei a comandar oito municípios, em Mogi – Guaçu, com problemas mais diversos possíveis.
Aí você tem que pensar na segurança, frota, no RH, em pessoal, na administração em si, para colocar tudo para funcionar, isso dá uma experiência muito grande.

JE – Como é estar à frente da maior Central de abastecimento da América Latina?
Coronel Mello –
Essa empresa é muito importante, o carro-chefe do Brasil, que é o agronegócio, é o que segura neste momento de pandemia, enquanto outras empresas tiveram uma queda de 40 a 60% da produção, nós aqui da Ceagesp, tivemos uma perda de apenas 4%, mostrando que realmente o agro e a Ceagesp são o carro chefe.
O que a Ceagesp faz hoje é uma das funções mais bonitas e dignas que fazer o alimento chegar à mesa das pessoas.

JE – Há pouco tempo, na presidência, como pretende administrar o ETSP?
Coronel Mello –
É uma empresa nova, eu estou conhecendo os diversos problemas, os desafios, mas eu acredito com a participação de todos, nós vamos conseguir melhorar.

JE – Recentemente, você fez um visita técnica pela Feira de Flor, você já teve a oportunidade de andar pelo mercado todo, de acompanhar as instalações do ETSP?
Coronel Mello
– Queremos fazer com mais frequência, sendo que a minha ideia é envolver os funcionários, os responsáveis pelos setores para mostrar, em campo, se os trabalhos que eles fazem internamente estão tendo o resultado esperado. Nós fizemos essa caminhada técnica, para ver de perto o que funciona e o que não funciona. Eu conversei com os funcionários, eu escutei reclamações.

JE – E como isso seria realizado?
Coronel Mello
– Se nós temos um contrato de limpeza, será que a limpeza está funcionando? Eu vi que não, se nós temos um contrato de segurança, será que a segurança está funcionando? Eu vi que não. Que a partir do momento que entra e sai qualquer um, pelo que eu percebi, andando por aí, ninguém é parado.

JE – Como será a comunicação, o diálogo com o permissionário da Ceagesp?
Coronel Mello
– Hoje é muito fácil, eu abro as minhas redes sociais e tenho diversas reclamações, assim como elogios. Então, quando alguém queira passar alguma informação para mim, fica muito fácil a interação.
Eu já tenho conversado com um grupo, com o pessoal de pescado, com representantes de frutas, legumes, rotineiramente com eles.

JE – Em período complicado que estamos passando, como enfrentar essa situação para que a Ceagesp volte a dar lucro?
Coronel Mello
– O que nós não podemos é chegar no prejuízo. Aqui tem as plenas condições em dar dinheiro, infelizmente, não é o quadro atual. Por isso, temos que mudar este cenário, eu estou ainda me informando, conversando com os setores para saber o que temos de receita, despesa. A ideia é fazer a Ceagesp, novamente, como se deve.

JE – Qual o maior desafio, você imagina que pode enfrentar pela frente?
Coronel Mello
– Os desafios são grandes, mas tem tudo para dar certo. Tem uma grande maioria, muitos funcionários, com muita boa vontade.

JE – Qual a mensagem que você daria aos permissionários da Ceagesp?
Coronel Mello
– Dê um voto de confiança, estamos chegando agora, precisa ter um pouco de paciência. Nós queremos fazer as coisas funcionarem e sozinho, eu não faço nada. Então eu preciso continuar com ajuda deles.
Eles ao nosso lado, nos mandando informações para melhorar a Ceagesp.