- Jornal EntrePosto - https://www.jornalentreposto.com.br -

JE entrevista Caio Luz, candidato a Deputado Estadual de São Paulo

Caio Luz tem 33 anos, é casado e pai do Pedro. Cresceu em Ferraz de Vasconcelos e desde muito jovem se comprometeu com as causas coletivas, com o exercício da democracia e com a política baseada no diálogo.

Foi subprefeito em três importantes regiões da cidade de São Paulo: Vila Prudente, Lapa e Ipiranga. Ferroviário de formação, foi aprovado em concurso público aos 15 anos, como Aluno-Aprendiz, foi
professor na escola ferroviária e, ainda, atuou nas áreas de planejamento e controle operacional da
Companhia.

No Governo do Estado, passou pelas secretarias da Casa Civil, Governo e Logística e Transportes, até ser
convidado pelo prefeito e companheiro de militância Bruno Covas para atuar na prefeitura de São Paulo.

Ocupou o cargo de secretário executivo das Subprefeituras, onde aprendeu que grandes obras transformam cidades, mas são as pequenas obras que mudam a vida das pessoas.

ALGUMAS REALIZAÇÕES:
• Idealizador do projeto ‘Amigos da Leitura’, que tinha o objetivo de democratizar o acesso à cultura
no Alto Tietê;
• Escreveu o livro ‘CPTM-30 Anos Sobre Trilhos’, em comemoração aos 30 anos da Companhia;
• Coordenou o eixo de Mobilidade do Plano de Governo da chapa Bruno Covas/Ricardo Nunes, em
2020;
• Entregou à população da Vila Prudente a primeira pista pública de skate e a primeira quadra poliesportiva pública adaptada à prática de tênis;
• Revitalizou a área onde vive a árvore mais antiga de São Paulo, e recapeou toda a extensão da
Estrada das Lágrimas na Capital, ligação entre o Ipiranga e o ABC.

JE – Quais são os seus principais projetos voltados para a melhoria do Estado de São Paulo?
Caio Luz –
Acredito que o diálogo desburocratiza. Um deputado estadual tem como função básica a proposição e a votação de leis que impactam a vida das pessoas, mas para entender o que elas precisam de fato, é obrigatório estar próximo, conversar e, principalmente, ouvir suas demandas.

JE – Você acredita que reformulação, com os jovens mais engajados na política podem mudar o cenário atual?
Caio Luz –
O processo democrático precisa também dos jovens, que cada vez mais estão interessados em falar sobre política. Isso é um passo importante para nosso amadurecimento e desenvolvimento.

JE – São Paulo é uma referência nacional e internacional, pela sua gestão e experiência o que você poderia fazer para contribuir com o crescimento econômico?
Caio Luz –
São Paulo é um país e tem dificuldades e possibilidades na mesma dimensão. Acredito que o turismo e o potencial industrial são grandes pontos de retomada para os próximos anos.

JE – O setor cultural foi um dos grandes afetados pela pandemia. Quais suas propostas voltadas para a cultura?
Caio Luz –
Desde muito jovem a cultura é um dos meus temas de interesse. Criei o projeto ‘Amigos da Leitura’, que buscava acessibilizar a cultura para jovens carentes do Alto Tietê, a partir da entrega de livros. Como subprefeito, usei o graffiti para melhor ocupar as áreas públicas e enfrentar o descarte irregular de lixo. Acredito na cultura como agente de transformação e quero dar continuidade ao que já fiz sem mandato.

JE – Aos 33 anos, essa é sua primeira disputa como candidato. O que o fez tomar essa decisão?
Caio Luz
– Apesar dos 33 anos, 18 deles foram dedicados à vida pública. Passei em meu primeiro concurso aos 15 anos, para aluno-aprendiz na CPTM. Atuei também nas secretarias estaduais de Casa Civil, Governo e Logística e Transportes; passei pela CESP e desde 2019 estive na prefeitura de São Paulo, a convite do eterno Bruno Covas. Me sinto preparado e animado em fazer ainda mais por São Paulo.

JE – Por dia, mais de 50 mil pessoas passam pela Ceagesp. Um dos grandes projetos é o banco de alimentos, evitando o desperdício e ajudando muitas famílias carentes. Caso, eleito, o que poderia fazer com as famílias em situação de vulnerabilidade?
Caio Luz
-Ampliar os instrumentos das entidades do terceiro setor, ampliar as propostas de regularização habitacional, trabalhar pela maior geração de renda e uma sociedade mais igualitária