- Jornal EntrePosto - https://www.jornalentreposto.com.br -

InternetSAT apresenta crescimento de 30% no agronegócio

A InternetSAT finalizou o ano de 2019 com um crescimento de 30% no mercado do agronegócio a partir da entrega de projetos de conectividade baseados em satélite, rádio e fibra óptica, o crescimento é resultado de fortes investimentos da operadora em soluções especialmente desenhadas para atender as empresas do segmento localizadas em locais com limitações de infraestrutura em conectividade capaz de atender às necessidades do negócio.

A operadora também lançou uma nova versão de sua UMC-SAT – Unidade Móvel Conectada-, projetada para atender as especificidades e características de cada negócio do agronegócio, gerenciar as conexões de longa distância e entrega da conectividade necessária para a operação, independente da sua localização.


Outra solução criada pela InternetSAT para o agronegócio envolve a Internet das Coisas – IoT – O serviço leva em conta a capacidade operacional de cada dispositivo conectado e os objetivo, que leva em conta a capacidade operacional de cada dispositivo conectado e os objetivos de cada projeto, envolvendo a telemetria avançada para a comunicação de dados em diversas aplicações, incluindo a medição do consumo de energia e combustíveis, temperatura, umidade, presença, abertura e fechamento de equipamentos e portas, rastrear veículos e frotas, entre outras aplicações.


No segundo semestre de 2019 a InternetSAT começou a operar 2 novos satélites: SES 14, da SES Networks e Amazonas 5, da espanhola Hispamar, que permitiu sua expansão em diversos mercados de atuação e, principalmente, a ampliação nos segmentos de agro e energia, setores que exigem alta disponibilidade garantida e resiliência.


“As empresas que atuam no agronegócio buscam garantir suas atividades em ambientes operacionais críticos e em localidades remotas”, comenta Gilmar Souza, Gerente de Negócios.


Com os novos satélites e a oferta de projetos customizados de conectividade, a empresa conseguiu se destacar nos mercados que demandam conectividade em missão crítica.