Notícias

Negócios

Embrapa e Avon firmam parceria para desenvolvimento de projeto para produção e processamento de pinhão como fonte de renda para mulheres na agricultura familiar

Data12 julho 2023

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

FONTE: EMBRAPA

Embrapa Florestas e Avon, com coordenação da Vitrine da Biodiversidade Brasileira – VBIO, dão início a projeto que visa promover trabalho e renda para mulheres da agricultura familiar por meio de capacitação e fomento a atividades que podem ser desenvolvidas com o pinhão, semente da araucária. O projeto prevê ações desde a produção e beneficiamento até a fabricação de produtos com elevado valor de mercado e sua comercialização. Além disso, o projeto vai ajudar a promover a conservação de remanescentes florestais com araucária.

Com duração de 36 meses, o projeto será desenvolvido em oito municípios do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo, e pretende capacitar até 400 mulheres em assuntos relacionados à conservação dos remanescentes de araucária, implantação de pomares de araucárias que produzem pinhão precocemente, armazenamento e beneficiamento do pinhão para produtos de maior valor agregado. Além de estimular a implantação de unidades de beneficiamento de pinhão, o projeto também oferece atividades como cursos de culinária com pinhão, controle de qualidade e orientação para comercialização dos produtos fabricados por meio de associações.

A pesquisadora Rossana Catie Bueno de Godoy, líder do Projeto na Embrapa, explica que o mesmo é um passo importante para auxiliar na organização da cadeia produtiva do pinhão, que hoje é baseada no extrativismo. “Além de orientar sobre as boas práticas de colheita do que já existe na natureza, ajudando na conservação da espécie, também vamos ensinar sobre a implantação de pomares de pinhão, com plantios para este fim”.

A pesquisadora comemora que um dos pontos importantes do projeto é o empoderamento das agricultoras, que também serão incentivadas a se organizarem em associações e a beneficiar o pinhão, com a possibilidade de agregação de valor com novos produtos, como farinhas, snacks e mesmo diferentes receitas com a semente da araucária”. Godoy explica que as opções de renda para mulheres na agricultura familiar são limitadas a atividades de baixa remuneração na própria propriedade rural, recebendo pouco pela venda da semente. “O projeto ‘Mulheres e a cultura do Pinhão’ pretende oferecer alternativas para a geração de renda, permitindo ganhos financeiros maiores e, ao mesmo tempo, estimular o associativismo e fortalecer a liderança feminina, colaborando para o desenvolvimento das comunidades em que essas mulheres se inserem”, ressalta.

Para Luciana Machado dos Santos, gerente de assuntos regulatórios em Biodiversidade da Avon, o projeto Mulheres e a Cultura do pinhão está totalmente alinhado com a causa que a companhia defende. “Desde a sua fundação, há mais de 130 anos, quando a população feminina sequer possuía o direito ao voto, a Avon já viabilizava oportunidades acessíveis para mulheres alcançarem a independência financeira por meio da venda por relacionamento. O empreendedorismo feminino faz parte da nossa cultura e essa parceria mostra que estamos no caminho certo para contribuir ainda mais com o empoderamento dessas mulheres na busca por melhores condições de vida e alcance de seus sonhos.”, afirma a executiva.

A parceria entre Embrapa e Avon foi viabilizada pela VBIO, plataforma de bioeconomia que auxilia organizações a captarem e destinarem recursos para projetos de valorização da biodiversidade brasileira, com foco no desenvolvimento de comunidades tradicionais e conservação do patrimônio natural brasileiro possibilitando, assim, a execução dessas iniciativase a geração de impacto social, ambiental e econômico. A VBIO também realiza a gestão financeira e técnica dos projetos, acompanhando os indicadores das atividades previstas e garantindo o atingimento pleno dos resultados previstos com segurança e credibilidade para todos os parceiros envolvidos.

Segundo Mariana Giozza, gestora de projetos da VBIO, enxergar o papel fundamental da biodiversidade na transformação de realidades e prosperidade da sociedade é a única forma de garantir a sua conservação no longo prazo. “Com esse projeto, a biodiversidade entra para ser uma ferramenta que irá garantir a melhoria na qualidade de vida de mulheres agricultoras, a partir da geração de novas opções de renda e inclusão socioeconômica de um grupo que, por muito tempo, teve seu papel na sociedade subvalorizado. Protagonizar as mulheres agricultoras dentro dos seus núcleos familiares é proporcioná-las a oportunidade de serem independentes na tomada de decisões sobre suas vidas e de valorizar o conhecimento de gerações que elas detêm sobre o manejo dos recursos naturais, garantindo, também, a conservação da natureza.”

Pinhão e agricultura familiar

O pinhão, semente da araucária, é um alimento muito apreciado no Sul e Sudeste do Brasil. Sua coleta é feita de forma extrativista na Floresta com Araucária, ecossistema da Mata Atlântica, chamado cientificamente de Floresta Ombrófila Mista, encontrada nos Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e algumas áreas da região Sudeste.

O pinhão coletado é comercializado principalmente em beiras de estrada ou para atravessadores. Mesmo com baixo valor de venda para o pinhão in natura, essa é uma importante fonte de renda para a agricultura familiar da região.

O beneficiamento surge, então, como uma opção para a agregação de valor ao produto, aumentando a renda de pequenos produtores. Godoy destaca que, “quando processado e vendido congelado, o pinhão pode atingir preços maiores, em torno de R$ 20 a 25,00 por quilo. Já na forma de farinha, o preço pode chegar a R$60,00/Kg”. O projeto também visa contribuir para ampliar os mercados de venda para merenda escolar, roteiros turísticos e outros segmentos varejistas.

Já considerando a possibilidade de aumento na demanda por pinhão para beneficiamento e redução da pressão sobre as florestas remanescentes, outra tecnologia desenvolvida pela Embrapa Florestas e parceiros também será levada às produtoras: a técnica de enxertia de araucária, que possibilita a implementação de pomares de araucária com produção precoce de pinhão.

Esse tipo de enxerto possibilita que a araucária comece a produzir pinhão na metade do tempo que as árvores encontradas na natureza: de 12 a 15 anos, o tempo para início da formação do pinhão reduz para 6 a 8 anos. “Isso resulta em aumento da oferta do produto”, explica o pesquisador Ivar Wendling, que desenvolveu a técnica em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR). “As araucárias com produção precoce de pinhão destacam-se ainda pelo material genético superior com matrizes de diferentes épocas de produção durante o ano, tipos diferentes de pinhão e árvores com menor porte, entre dois e seis metros de altura, o que facilita a coleta das sementes”, explica o pesquisador. A estimativa é instalar até 80 pomares de pinhão precoce, sendo em média 10 pomares em cada município elencado no projeto.

Além da questão econômica, a valorização do pinhão como ingrediente para produtos alimentícios pode contribuir para a conservação da araucária por meio do seu uso sustentável.

Sobre a Repartição de Benefícios

O Projeto se enquadra na Lei da Biodiversidade (Lei Federal nº 13.123/2015), que versa sobre o acesso ao patrimônio genético e conhecimento tradicional associado, e a repartição de benefícios decorrentes do seu uso, por garantir o uso sustentável de uma espécie ameaçada de extinção da biodiversidade brasileira – a Aracuaria angustifolia – e capacitar recursos humanos em temas relacionados à conservação e uso sustentável do patrimônio genético. 

Esse é o primeiro projeto na Embrapa a receber recursos por meio desse dispositivo, que define que uma empresa que faz acesso ao patrimônio genético brasileiro ou conhecimento tradicional associado responsabiliza-se em destinar parte dos recursos gerados pela sua exploração econômica a projetos de conservação e uso sustentável da biodiversidade.

A repartição de benefícios derivada do uso econômico de produto acabado ou de material reprodutivo oriundo de acesso a patrimônio genético pode acontecer por duas modalidades:

-Repartição de Benefícios Monetária: envolve a destinação de um percentual dos recursos oriundos da exploração do produto acabado ou do material reprodutivo diretamente para o Fundo Nacional para a Repartição de Benefícios (FNRB).

-Repartição de Benefícios Não Monetária: envolve a destinação de um percentual dos recursos oriundos da exploração do produto acabado ou do material reprodutivo a projetos socioambientais previamente selecionados pelo usuário e aprovados pelo Governo, que terão como beneficiários unidades de conservação, terras indígenas, quilombos, assentamento rurais, territórios tradicionais, agricultores tradicionais, instituições de pesquisa, áreas prioritárias para a conservação, atividades de salvaguarda de conhecimentos tradicionais, coleções ex situ e ações similares.

Objetivos específicos:

1. Fomentar a organização de associações nas ações para comercialização de produtos com pinhão;

2. Estimular, por meio de associativismo, a implantação de unidades de beneficiamento de pinhão;

3. Capacitar mulheres das propriedades rurais familiares na técnica de enxertia;

4. Implantar pomares de produção de pinhão precoce em pequenas propriedades rurais, com matrizes de diferentes épocas de produção e tipo de pinhão;

5. Capacitar mulheres das propriedades rurais familiares sobre como implantar unidades de beneficiamento de pinhão congelado;

6. Capacitar mulheres das propriedades rurais familiares em técnica culinárias que podem ser desenvolvidas com o pinhão.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade