Notícias

Agro

É possível alimentar o mundo sem fertilizantes?

Data16 abril 2020

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Desde as primeiras civilizações, quando o homem passou a usar a terra para produzir seu próprio alimento, a fertilização, a despeito de ainda rudimentar, já era uma prática comum.

Com o avanço da ciência, tempos e tempos depois, os fertilizantes passaram a ser sintetizados, o que possibilitou a produção agrícola em larga escala para a alimentação de uma população sempre crescente.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em 2050, a população será aproximadamente de 10 bilhões, 30% maior do que hoje.

O maior crescimento ocorrerá nos países em desenvolvimento. Especialistas avaliam que, para alimentar a todos, a produção de alimentos deverá aumentar em 70%. Assim, a produção de cereais precisará aumentar para 3 bilhões toneladas/ano em relação aos 2,5 bilhões produzidos atualmente.

Atualmente, muitos questionamentos se referem à natureza dos fertilizantes: orgânico ou mineral. De acordo com o engenheiro agrônomo Dr.Eros Francisco, a diferença está mais relacionada à forma como são utilizados os fertilizantes do que à sua natureza, já que ambos disponibilizam os mesmos elementos químicos para as plantas.

É errado imaginar que a planta distingue o nutriente proveniente do fertilizante orgânico e o nutriente do fertilizante mineral. A grande diferença entre as fontes está na concentração de nutrientes.

A adubação de uma lavoura de arroz, por exemplo, demandaria a aplicação de toneladas de esterco por hectare. Já com a utilização de fertilizante mineral seria preciso uma centena de quilos”, explica Eros Francisco, ressaltando, ainda, que o advento do adubo sintético barateou o preço dos alimentos.

A agricultura moderna, de larga escala, depende fortemente do emprego de fertilizantes minerais.

Vale lembrar a ocupação do cerrado, uma extensa área, com grande potencial agrícola, localizada no Centro-Oeste brasileiro, cuja realidade produtiva foi viabilizada com o manejo adequado da fertilidade do solo.

O solo do cerrado, de fertilidade originalmente muito baixa, não permitia a produtividade satisfatória de grãos sem o uso de fertilizantes e corretivos.

O engenheiro agrônomo e coordenador científico da iniciativa Nutrientes para a Vida (NPV), Valter Casarin, pondera que, para avançar cada vez mais e nutrir a população do planeta com segurança alimentar, os agricultores têm sempre de adotar as melhores práticas de manejo, aperfeiçoando o uso dos adubos.

Com o objetivo de esclarecer e informar a sociedade sobre a importância dos fertilizantes na produção de alimentos, bem como sobre sua utilização adequada, a Nutrientes Para a Vida (NPV) reconhece que sem os fertilizantes não haveria alimento suficiente para alimentar a população mundial.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade