Notícias

Agro

Dia Nacional do Milho: entenda como o cereal pode colaborar com o planeta

Data24 maio 2022

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Neste dia 24 de maio é celebrado o Dia Nacional do Milho, que é um dos produtos mais consumidos em escala mundial, reforçando sua importância na economia. Porém, mais do que um alimento em si ou insumo para outras cadeias de atividade, o cereal possui grande importância para a sustentabilidade do planeta, como a Kellogg vem ressaltando ao longo de seus 116 anos, transformando o milho em flocos.

É mundialmente conhecido o valor nutricional do milho, o qual fornece energia para o seu dia e pode ser o ingrediente de diversos alimentos nas primeiras horas da manhã. Além disso, o seu consumo pode trazer benefícios para o meio ambiente. Um dos principais benefícios do plantio de milho é consequência do uso de técnicas de rotação de cultura: quando revezado com plantios como o de soja, permite que o solo se mantenha fértil e nutrido, promovendo um balanço químico que auxilia no controle de doenças, pragas e plantas daninhas e possibilita a reciclagem de nutrientes.

Mas o plantio sustentável vai além disso. De acordo com Alberto Raich, vice-presidente e gerente geral da Kellogg no Brasil, investir no milho é manter, ao mesmo tempo, o cuidado com o meio ambiente. “A Kellogg procura sempre apoiar nossos agricultores, promover práticas agronomicamente sustentáveis e conservar o meio ambiente, para que haja um fornecimento de produtos sustentáveis” comentou.

De acordo com os resultados do Relatório de Sustentabilidade Social de 2020 da Kellogg na América Latina, a empresa ajudou mais de 433.000 agricultores na região a adotar práticas agrícolas sustentáveis que apoiam a biodiversidade e melhoram a resiliência climática e tornou recicláveis 85% de suas embalagens, mantendo a meta de chegar a 100% até 2025. Globalmente, a Kellogg reduziu as emissões de gases de efeito estufa em 20% das fábricas e, especificamente na América Latina, de 2015 a 2020, diminuiu o uso de energia em 6,4% e de água em 3% por meio de atualizações de tecnologia, inovação e um sistema robusto de identificação de perdas.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade