Notícias

Agro

Citricultura gera 10 mil vagas de empregos nos três primeiros meses da safra 2020/2021

Data16 novembro 2020

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Admissões do setor respondem por 14% dos empregos gerados pela citricultura no Estado de São Paulo

A citricultura continua sendo uma das principais culturas geradoras de empregos no país. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), compilados pela Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), de julho a setembro de 2020, período que marca o primeiro trimestre do ano safra 2020/2021, o setor gerou um total de 10.554 postos de trabalhos.

Apesar de o valor representar uma redução de 14% em relação às 12.339 vagas geradas no mesmo período da safra anterior, os pomares de laranja mostram uma participação importante no total de vagas criadas no país, respondendo por 8,89% do total de admissões feitas pela agricultura em todo o Brasil, que soma 118.716 vagas.

A diminuição nas admissões da citricultura acontece por causa da bienualidade da safra, que nesta temporada tem uma produção cerca de 26% menor em comparação ao período passado.

“A colheita da citricultura é extremamente demandante de mão de obra. Uma colheita menor, acaba necessitando de menos pessoas. Mas ainda assim, podemos observar uma participação importante do setor na geração de empregos”, analisa o diretor-executivo da CitrusBR, Ibiapaba Netto.

Do total das vagas criadas pela citricultura, 86% estão no Estado de São Paulo, com um total de 9.163 admissões. Isso significa que do total de 63.547 vagas criadas pela agricultura paulista entre julho a setembro de 2020, a produção de laranja foi responsável por 14,42%.

De janeiro a setembro desse ano, a citricultura já soma 31.584 admissões. “O fato é que a citricultura, todos os anos, colabora com cerca 40 mil vagas ao longo do ano, com todas as proteções legais aos trabalhadores em regiões que são carentes de vagas formais, o que gera renda e desenvolvimento para o interior de São Paulo”, explica Netto.

VEJA TAMBÉM...