Notícias

Agro

Biossegurança impulsiona crescimento da produção de biológicos

Data19 outubro 2020

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Com capacidade instalada de mais de 6 milhões de litros por ano, Biotrop desenvolve novo padrão industrial e projeta avanço de 50% na oferta para o ano de 2021

A busca por qualidade de seus produtos é preocupação constante da Biotrop, empresa que desenvolve soluções biológicas e naturais para a agricultura.

Mas, além da oferta de soluções, é preciso pensar primeiramente na segurança de todo o projeto, e isso inclui pessoas e processos.

Prova disso é o novo padrão industrial com foco na biossegurança, que coloca a empresa entre as melhores e mais modernas do mundo.

Com o novo padrão, todas as etapas de fabricação são controladas, rastreadas, passam por esterilização e são analisadas, para evitar e identificar qualquer tipo de contaminação.

De acordo com Eduardo Pesarini, engenheiro químico e diretor de operações, a empresa está investindo em três importantes pilares: melhoraria da estrutura física geral, estruturação de um novo laboratório de pesquisa e inovação e ainda na capacitação e contratação de pessoas qualificadas.

“O foco não é apenas para o desenvolvimento de novos produtos, mas envolve também otimização de todos os processos de produção da empresa, buscando biossegurança e redundância em cada etapa”, aponta.

Atualmente a fábrica produz 6 milhões de litros por ano e desde o começo de 2020, com as novas implementações, está ampliando a produção em mais 50%.

“A ideia é que continuemos crescendo de 40 a 50% ao ano e assim vamos consolidando esse padrão de produção”, lembra o diretor.

Investimentos

Entre as novas aquisições da empresa que elevaram ainda mais a qualidade da produção está o investimento em na coleção de microrganismos da empresa, que ficam no laboratório da companhia e também depositados em um órgão regulamentado do MAPA.

Também houve aporte nos procedimentos de assepsia das salas de envase de produtos em bolsas e ainda novos filtros de ar absolutos e microbiológicos que são individuais para cada fermentador, similares aos padrões rigorosos da indústria farmacêutica.

“Continuamos investindo em automação dos biorreatores, para garantir o controle de temperatura, tempo de esterilização, parâmetros de processo (pH, O2 dissolvido, entre outros). Estamos comprando e desenvolvendo novos equipamentos totalmente automatizados e quatro vezes maiores do que os utilizados atualmente, visando aumentar ainda mais nossa eficiência, capacidade e produtividade”, destaca Pesarini.

Para aumentar a biossegurança, as máquinas de envase da Biotrop são esterilizadas com vapor em salas com pressão positiva com ar estéril e filtros de última geração para garantir a integridade dos produtos, além de possuir um sistema de fluxo laminar em um ambiente livre de contaminantes.

Segundo o engenheiro químico, a empresa já conta com controle efetivo e foco em biossegurança em todos os equipamentos.

Isso garante que qualquer tipo de desvio seja rapidamente identificado, os equipamentos imediatamente esterilizados e o produto descartado, por meio de empresa especializada para destinação correta deste material.

Todas as etapas do processo produtivo (do laboratório ao produto final) possuem rigoroso controle para garantir a integridade e rastreabilidade dos produtos.

“Todo o processo produtivo é esterilizado e são coletadas amostras para análise microbiológicas. Caso seja identificado qualquer tipo de contaminação o lote é descartado. Tudo aqui é extremamente controlado para garantir que não haja nenhum tipo de microrganismo que não seja o que foi inoculado”, afirma Pesarini.

A todo vapor na crise

Com os novos padrões de biossegurança adotados, a Biotrop teve um outro benefício: não precisou parar a produção com o surto da pandemia do novo coronavírus. Isso tem uma explicação.

O investimento na biossegurança do processo de obtenção dos bioprodutos também serviram para a segurança das pessoas, que são o principal patrimônio da empresa.

Na sala de envase, por exemplo, o ar interno é renovado mais de 150 vezes por hora o que ajudou muito na qualidade respiratória.

“Nos preocupamos no sentido de ampliar os espaços físicos, reforçar o distanciamento social, disponibilizar álcool em gel, máscara facial, máscara acrílica e óculos. Tudo foi muito bem ajustado para, com segurança, não parar”, lembrou o diretor.

Com todos esses cuidados e seguindo um protocolo bem rigoroso, a empresa pôde manter o ritmo de crescimento em meio a pandemia, e inclusive ampliou a contratação de novos talentos.

Os profissionais chegam para compor um time seleto e dedicado a desenvolver soluções para uma agricultura cada vez mais saudável e sustentável.

VEJA TAMBÉM...