Notícias

Logística e Transporte

Bia Figueiredo faz história e torna-se a primeira mulher a vencer a Copa Truck

Data12 julho 2023

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Em mais de 27 anos de corridas de caminhões, essa é a primeira vez que uma mulher – e mãe – sobe ao local mais alto do pódio; Destaque também para a engenheira da equipe, a profissional Rachel Loh

Neste final de semana, Bia Figueiredo tornou-se a primeira mulher a conquistar uma vitória na Copa Truck, categoria brasileira de caminhões preparados para corridas. Território majoritariamente masculino, o triunfo rompe uma sequência de 27 anos com homens na liderança. E a quebra de padrões vai além: Rachel Loh, chefe da equipe ASG Mercedes-Benz e engenheira da Bia, também se consagra como a primeira mulher chefe e engenheira da Copa Truck a subir no lugar mais alto do pódio.
E esse feito é histórico. “Não é uma vitória minha e da Rachel. É uma conquista de todas as mulheres que ocupam profissões e têm cargos que as pessoas gostam de rotular como se fosse um lugar só deles. Essa é uma conquista de uma piloto e de uma engenheira, e também das mulheres que estão nos volantes, nas estradas, trabalhando nas montadoras, na logística e em tantas outras profissões. Quando uma mulher rompe uma barreira, todas as mulheres rompem também”, diz Bia, emocionada. 
A competição de caminhões preparados para corridas teve sua largada inicial em 2006, ainda com o nome de Fórmula Truck e, desde então, nunca uma mulher havia subido ao lugar mais alto do pódio. Porém, vale lembrar que a piloto Debora Rodrigues é a pioneira da categoria, conquistou vários pódios e, por causa dela, muitos paradigmas sobre mulheres nas pistas foram rompidos.
 “O automobilismo é um dos únicos esportes em que mulheres e homens, e pessoas de diferentes idades, competem em igualdade. E isso nos faz refletir sobre o que é igualdade. Nas pistas, somo apenas duas, com mais de 30 homens no grid. A Raquel é a única chefe e engenheira da categoria”, analisa a piloto, que acumula também o cargo de representante da América do Sul na Comissão de Mulheres da FIA, e que tem trabalhado fortemente por mais mulheres no automobilismo.
Bia destaca, ainda, que a conquista acontece dentro das pistas, mas que fora delas ainda temos uma longa jornada, já que a diferença de remuneração entre homens e mulheres voltou a subir no país e atingiu 22%, segundo dados do IBGE. Isso mostra que uma brasileira recebe, em média, 78% do que ganha um homem. Quando olhamos para cargos de liderança das empresas no mundo todo, temos apenas 37% de mulheres, uma diferença ainda significativa.
“Por isso, volto a afirmar que esse segue sendo um tema atual, e que precisamos falar dele. Dizer que cada conquista de uma mulher, é uma conquista de todas as outras. Eu sei que essa é um fato histórico, merecido e que será muito celebrado. Estou feliz, orgulhosa pelo trabalho realizado, e agradecida por tanto apoio”, explica a piloto do Mercedes-Benz #111 da ASG Motorsport.
Vitória também de uma mãe!
O primeiro lugar no final de semana celebrou outra conquista inédita: nunca uma mãe havia subido no pódio de uma categoria de elite do automobilismo nacional. Bia é mãe de dois meninos – Murillo Luz, de 3 anos, e Matteo Luz, de 1 ano e 8 meses – e essa foi a primeira conquista dela após a maternidade. “Todo mundo me pergunta se depois de ser mãe eu fiquei insegura em pilotar um caminhão de 4 toneladas, ou de acelerar a mais de 200 km por hora. A resposta vem agora: não. A maternidade me trouxe muita coragem, e hoje faço isso pela Bia mulher, e por todas as mães”, celebra.  

Por, Julia Calixto

VEJA TAMBÉM...

Publicidade