Notícias

Agro

Agroindústria não para e mantém abastecimento durante crise do Coronavírus

Data9 abril 2020

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Sem alimento não há desenvolvimento. É por isso que os produtores rurais estão trabalhando ativamente para que não haja desabastecimento nas cidades durante a crise do Coronavírus.

Algumas empresas certificadas na América Latina com o selo de bem-estar animal da Certified Humane relataram que receberam aumento em seus pedidos, principalmente, no mercado de ovos e frangos.

Este cenário de pandemia – declarado pela WHO – alterou mais do que o dia a dia das produções rurais, todos os setores dos países afetados pelo COVID-19 foram atingidos com o fechamento de empreendimentos de todos os segmentos, seja varejo, turismo, eventos, construção civil, entre outras dezenas.

O setor da agroindústria, criação de animais de produção ou processadoras de alimentos que utilizam a matéria-prima animal, mostrou que é unido e manteve o quadro produtivo.

Claro que o abastecimento também só foi possível com o empenho e dedicação dos caminhoneiros.

Quando a sociedade passa pela crise do Coronavírus, ou por outra que envolva questões de saúde pública, é levado muito em consideração a qualidade do alimento que é comprado para ser consumido em casa.

É neste momento que produtos certificados ganham ainda mais espaço. O consumidor passa a procurar itens que sejam seguros e garantam a saúde da sua família, demonstrando uma maturidade do consumidor.

Prioridade é o bem-estar animal

O cuidado redobrado com a higiene neste período da crise do Coronavírus e seguir à risca as normas de bem-estar animal, priorizando os cuidados com o manejo do rebanho, foram os pontos principais elencados pela Maria Eduarda Calderaro da Silva, supervisora da brasileira Fazenda São Bento – empresa certificada com selo Certified Humane para bovinos de leite.

As medidas de segurança visando a proteção e saúde individual da equipe foram aplicadas e foi recomendado que os colaboradores evitem sair da fazenda para conter a disseminação do vírus.

As medidas básicas preventivas de segurança recomendadas também foram tomadas pelos produtores chilenos da Colun (Cooperativa Agrícola e Leiteira la Unión).

A rotina com o animais não foi alterada, já que o objetivo principal é manter os procedimentos de bem-estar dos bovinos de leite. Quanto aos funcionários, foram instruídos a manter distância um do outro e a não trabalhar em grupo.

Houve ainda mudanças de turnos para que haja somente um colaborador por área. O acesso de veículos externos nas propriedades foi fechado, com exceção dos caminhões de coleta de leite.

Em algumas fazendas, os produtores inseriram espaços com amônia quaternária para desinfecção de calçados e outros criaram um plano de contingência para o caso de alguém da equipe ficar doente.

Além da limpeza redobrada, higienização (com água, sabão e álcool 70%), uso e troca frequente de luvas, cuidado redobrado com aventais e EPIs, um produtor comentou que a crise do Coronavírus os tornou mais unidos, preocupados uns com os outros e agradecidos pelo que têm: a vida no e a oportunidade de desfrutar do ar livre.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade