Notícias

Notícias

Busca por alimentação saudável pode transformar a matriz agrícola do País

Data14 outubro 2015

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Mestre nas áreas de Nutrição e Pediatria pela Unifesp – EPM, a nutricionista Valéria Paschoal acredita que a expansão do mercado de alimentos saudáveis pode transformar a matriz agrícola do País. “A procura por alternativas mais saudáveis, como os alimentos orgânicos e biodinâmicos tem aumentado e, futuramente, espera-se que estas formas de cultivo constituam a matriz agrícola do país”, afirma.

Na entrevista a seguir, Valéria pontua os principais alimentos funcionais que já fazem parte da dieta dos brasileiros e explica um pouco mais sobre as Plantas Alimentícias Não Convencionais, que fazem parte da biodiversidade do nosso país, mas ainda permanecem desconhecidas por grande parte da população.

Jornal Entreposto Toda fruta, verdura ou legume pode ser considerado um alimento funcional?

Valéria Paschoal – A grande maioria das frutas, verduras e legumes, além de fornecerem energia e nutrientes, contém compostos bioativos que nos proporcionam benefícios adicionais à saúde, caracterizando-os como alimentos funcionais.

JE – Quais são os principais alimentos funcionais que já fazem parte do hábito alimentar do brasileiro e como incorporá-lo corretamente à nossa dieta?

VP – Vários alimentos que já fazem parte da dieta do brasileiro podem ser considerados funcionais, como a sardinha, o açaí, o abacate, brócolis, ovo, a romã, aveia, azeite de oliva extra virgem e castanhas, por exemplo. Estes alimentos devem ser consumidos dentro de uma dieta saudável, equilibrada e variada, para que nosso organismo tenha todos os benefícios de suas propriedades funcionais. A sardinha, o ovo e o azeite podem fazer parte de saladas e pratos principais assados ou cozidos. O açaí, o abacate e a romã podem ser ingredientes de vitaminas, sucos e saladas de frutas. A aveia pode compor bolos, biscoitos, sucos, vitaminas, mingaus e saladas. As castanhas podem acompanhar saladas de frutas ou servirem de lanche da manhã ou da tarde.

JE – Em um dia de compras na Ceagesp, o consumidor tem acesso a todos os tipos de hortifrutis. Quais são os dez alimentos frescos que não podem ficar de fora da lista?

VP – A escolha deve priorizar primeiramente alimentos orgânicos e que estejam dentro da safra. Neste mês de outubro, por exemplo, alguns alimentos que estão dentro da safra e que não poderiam faltar são: acerola, banana, jabuticaba, mamão, maçã fuji nacional, abóbora, alcachofra, beterraba, almeirão, brócolis, couve-flor e chicória.

JE – Os alimentos funcionais industrializados são eficazes? Como a biotecnologia tem colaborado com o desenvolvimento deste segmento?

VP – Alguns alimentos industrializados possuem o apelo de alimentos funcionais por conterem em sua base ingredientes funcionais ou a adição de alguns componentes ativos, e várias tecnologias têm sido desenvolvidas para tal finalidade. Porém, estes produtos alimentícios contêm diversos aditivos químicos, como corantes, adoçantes, conservantes e aromatizantes, além de maior quantidade de açúcar e gorduras. Os alimentos in natura, por outro lado, contêm uma diversidade de nutrientes e compostos bioativos que dentro do organismo agem em sinergia, resultando em maiores benefícios à saúde, além de, naturalmente, não conterem aditivos químicos.   

JE – E os alimentos da moda, como a batata-doce para atletas e o chá verde para quem deseja emagrecer, são eficientes?

VP – Apesar de estes alimentos estarem em alta nas redes sociais, a prescrição nutricional deve ser personalizada com base nas características individuais do paciente e de acordo com os seus objetivos e estilo e vida. Sendo assim, algumas pessoas podem se beneficiar com o consumo destes alimentos e outras podem não ter os mesmos resultados ou terem restrições ao consumo, justificando, então, a importância da orientação de um nutricionista, que irá avaliar as melhores indicações para o paciente baseadas em sua individualidade bioquímica para prescrever um plano alimentar completo, saudável e equilibrado.  

JE – Qual é a importância das Plantas Alimentares Não Convencionais para a dieta e para a sustentabilidade da agricultura?

VP – As Plantas Alimentícias Não Convencionais fazem parte da biodiversidade do nosso país, mas ainda permanecem desconhecidas por grande parte da população. Estas plantas fazem parte de culturas regionais e são ricas nutricionalmente, apresentando vitaminas, minerais e compostos bioativos que proporcionam inúmeros benefícios à saúde. É preciso incentivo ao cultivo destas espécies que valorizam as culturas regionais e a agricultura familiar, uma vez que não fazem parte da matriz agrícola convencional. Alguns exemplos destas riquezas naturais são: ora-pro-nobis, taioba (presentes na culinária mineira), cubiu, murici, camu-camu (tradicionais na região norte), fruta-pão, araruta, sorgo (presentes na região nordeste), pequi, guabiroba (que fazem parte da culinária do centro-oeste), azedinha e muricato (tradicionais na região sul).

JE – Existe diferença nutricional entre o alimento funcional orgânico e aquele produzido com técnica convencional?

VP – Sim. A maior diferença está no método de cultivo. Os alimentos orgânicos e biodinâmicos, por não entrarem em contato com agrotóxicos e fertilizantes químicos em nenhuma das etapas de produção, ficam mais expostas a agressões naturais, que estimulam nas plantas um sistema de proteção, aumentando a concentração de compostos ativos que beneficiam a saúde humana. Já os alimentos convencionais não tem um estímulo tão forte à produção destes compostos, já que os agrotóxicos impedem o contato com agressores externos. Além disso, vale ressaltar todos os malefícios que estes produtos tóxicos trazem à saúde, com aumento no risco de doenças crônicas não transmissíveis como câncer, obesidade, alergias e doenças cardiovasculares.

JE – Com relação ao crescimento no consumo desses produtos, quais são as perspectivas futuras para o setor?

VP – Há uma forte tendência de crescimento no setor devido ao aumento expressivo de pessoas preocupadas com saúde e bem estar, um dos assuntos mais comentados e compartilhados em redes sociais. A prefeitura de São Paulo, recentemente, aprovou uma lei que determina que os alimentos oferecidos em escolas públicas municipais sejam prioritariamente orgânicos, caracterizando uma grande conquista para o setor e para a saúde das crianças. Desta maneira, a procura por alternativas mais saudáveis, como os alimentos orgânicos e biodinâmicos tem aumentado e, futuramente, espera-se que estas formas de cultivo constituam a matriz agrícola do país.

VEJA TAMBÉM...