Notícias

Notícias

A importância do caminhão no agronegócio

Data24 abril 2019

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

O agronegócio em Santa Catarina está concentrado no Grande Oeste do Estado e é fundamental aos 120 Municípios de cinco microrregiões onde se encontra uma população superior a 1,5 milhão de habitantes.

O agronegócio catarinense é responsável pela absoluta maioria das exportações e isso significa a entrada de alguns bilhões de dólares na economia interna.
O setor corresponde a aproximadamente 30% do Produto Interno Bruto – PIB do território barriga-verde. Este importante campo da economia catarinense, formado pelo setor produtivo, apresenta números impressionantes.

Para nossa satisfação, o percentual majoritário do volume estadual do agrobusiness é extraído do Oeste. Aqui não existe transporte fluvial/hidroviário, nem aéreo, muito menos ferroviário. Apenas um modal é o responsável por conduzir a produção resultante do agronegócio ao destino: o TRC – Transporte Rodoviário de Carga.

Precisamos considerar que 100% de tudo o que é produzido e industrializado no Oeste Catarinense, é movimentado pelas empresas de transporte rodoviário. Em nível estadual, o índice fica em 85,37%.

Portanto elas, as empresas do segmento, se constituem em único modo de distribuir as “safras” ou “colheitas” in natura ou processadas do agronegócio regional, ao país e ao mercado internacional.

A importância do caminhão no transporte da cadeia produtiva é gigantesca. O caminhão é imprescindível ao agronegócio e se transforma em estratégico ponto de equilíbrio. É, também, elo de ligação entre o conjunto produtivo rural/urbano, comercial/industrial e seu respectivo faturamento, bem como gerador de milhares de empregos.

Podemos quantificar a influência do caminhão citando, por exemplo, que na região estão em atividade cerca de 7.000 empresas do setor (Chapecó é 2º maior polo de empreendimentos do Estado), mantendo uma frota que vai além dos 40 mil caminhões, frequentemente renovada. Este contingente “tira” toda produção (com destaque à proteína animal) do grande Oeste.

Daqui a conduz aos centros internos de consumo e aos pontos de redistribuição (portos, principalmente) cujo destino é a exportação para dezenas de países.
Em consequência deste comportamento, o impetuoso agronegócio domina o mercado de caminhões, determinando expressivo volume de vendas.

As potencialidades geradas pela conjugação das forças sustentadas pelo agronegócio/transporte rodoviário de carga, fazem com que a Região tenha respeito nacional. Proporcionalmente, elencando todas as marcas, o grande Oeste Catarinense concentra o maior mercado de caminhões pesados do país.

Com expressivo percentual de representatividade no contexto econômico, o agronegócio e o transporte rodoviário de carga ajudam Santa Catarina, mesmo sendo o 20º Estado do país em área territorial, ser a sexta economia brasileira.

 

 

 

 

 

 

 

 

Deneraci Perin
Presidente do SITRAN Chapecó
(Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística)

VEJA TAMBÉM...

Publicidade