Notícias

Notícias

Parceria comercial: Brasil e Portugal

Data2 outubro 2018

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

A relação comercial envolvendo os dois países é de extrema importância para a economia de ambos. Para que isso ocorra da melhor maneira possível, aumentando cada vez o potencial de importação e exportação, alguns órgãos são fundamentais para chegar a um resultado positivo.

A Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), por exemplo, é uma entidade pública prestadora de serviços de suporte e aconselhamento na entrada de mercados externos, identificação de oportunidades de negócios internacionais e acompanhamento do desenvolvimento de processos de internacionalização das empresas portuguesas. Ela está presente em 76 países e conta com um escritório no Brasil, sendo que ela fica, na grande cidade de São Paulo.

Recentemente, no dia 27 de junho deste ano, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Jorge, e o ministro da Economia de Portugal, Manuel Caldeira Cabral, assinaram, em Lisboa, um acordo para aumentar a cooperação em inovação entre os dois países. O intuito principal é fortalecer o desenvolvimento econômico e social.

O Brasil exportou, de acordo com o balanço da ComexStat – atual sistema de consultas on-line de estatísticas de comércio exterior do governo brasileiro, cerca de US$ 1,43 bilhão em produtos para Portugal. Sendo que itens como goiabas e mangas tiveram quase 1% das exportações, o que representou mais de US$ 14 milhões. Em contrapartida, segundo os dados da Eurostat, Portugal foi o Estado-membro da União Europeia que teve, em 2017, mais trocas comerciais com o Brasil. Mesmo assim, a balança comercial portuguesa registrou no ano passado, um déficit com o Brasil de 275 milhões de euros, já que as importações atingiram os 1.219 milhões de euros e as exportações ficaram em 944 milhões de euros.

As empresas de aviação portuguesas são as grandes responsáveis pelos números obtidos com agronegócio, envolvendo os dois países. Por exemplo, no Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante, na região metropolitana de Natal, cerca de 97% das exportações são de frutas e pescados. Do Rio Grande do Norte, os produtos partem para a Europa em voos cargueiros da Lufthansa e nas viagens comerciais da TAP. Somente em 2017, entre exportações, importações e envio de carga para destinos nacionais, o terminal potiguar movimentou 12.413,098 toneladas em produtos.
De acordo com os dados do INE, Em 2017, Portugal exportou para o Brasil aproximadamente 390 milhões de euros, somente de produtos agroalimentares.

Enquanto, no mesmo período, as exportações brasileiras para Portugal atingiram os 1.432 milhões de dólares e foram compostas maioritariamente por combustíveis minerais (25%), minérios de ferro (17%), ferro e aço (9%), cereais (7%) e soja (5,5%).

Portugal é o principal fornecedor de azeite do Brasil, com uma participação de 63%. Isso corresponde algo em torno de 199 milhões de euros, obtidos no ano passado. Sendo que a expectativa, segundo a ComexStat, a importação brasileira de azeite português deverá crescer ainda mais, em 2018, uma vez que esta já cresceu mais de 75% no primeiro semestre de 2018 face ao mesmo período do ano anterior.

Outro dado importante é que o Brasil foi o 1º cliente de bacalhau congelado e salgado de Portugal, em 2017. Tendo um faturamento de cerca de 27 milhões de euros do pescado congelado e 14 milhões de euros do salgado. Enquanto, na importação de cação português, o Brasil ocupou a segunda colocação, com a movimentação de mais de 9 milhões de dólares.

De acordo com os dados da ComexStat, Portugal é o quarto maior fornecedor de maçã fresca do Brasil, seguido por Chile, Itália e Argentina. Além de ser o segundo país que mais fornecem pera fresca.

 

VEJA TAMBÉM...

Publicidade