Notícias

Notícias

O sabor da laranja

Data10 agosto 2018

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

O Brasil é o maior produtor de laranja do mundo e São Paulo o estado maior produtor. O SIEM – Sistema de Informação e Estatística de Mercado da CEAGESP mostrou a comercialização de 11 milhões de caixas de laranja em 2017 no Entreposto Terminal de São Paulo, sendo a laranja pera, a de maior volume.

A laranja para consumo in natura enfrenta um grande desafio: a melhor época para o seu consumo, quando ela apresenta o melhor sabor acontece na época do frio, a de menor demanda pelo consumidor. A laranja e o suco de laranja estão perdendo espaço para outras frutas, consideradas mais saborosas.

A oferta de laranja no Entreposto Terminal de São Paulo é estável durante todo o ano, originária de diferentes locais. O sabor da laranja varia com a época e com o local de produção. O sabor da laranja não muda depois da colheita.

A medida do sabor da laranja mais adequada, que mais se aproxima da percepção do consumidor, é o ‘Ratio’ – razão entre o seu conteúdo de sólidos solúveis e a sua acidez. Um aparelho simples, barato – o refratômetro – mede o conteúdo de sólidos solúveis, com rapidez. Entretanto a medida de acidez tem que ser feita em um laboratório simples e exige mais tempo e treinamento.

Hoje, a única maneira de garantir uma laranja saborosa para o consumidor é colhendo uma laranja com um bom ‘Ratio’. Entretanto a medida da acidez pelo produtor, para decidir o momento da colheita, ou pelo comprador do atacado, do varejo e do serviço de alimentação, no controle de qualidade no recebimento, exige a medida do Ratio – acidez e conteúdo de sólidos solúveis.

A única maneira de simplificarmos a medida de doçura é determinar o conteúdo de sólidos solúveis mais adequado para cada época e região de origem para cada variedade, como já é feito para as uvas de mesa no Chile.

O estudo em andamento do Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP tem por objetivo a definição do conteúdo de sólidos solúveis mínimo por época e por origem para a laranja Pera. Todas as semanas são coletadas amostras da laranja Pera provenientes do melhor lote do atacadista (escolhidas por ele).

As análises são realizadas em nosso laboratório, e o conteúdo de sólidos solúveis a acidez e o rendimento de suco são medidos. Os dados permitem o cálculo do Ratio e a comparação do Ratio e do rendimento do suco com as exigências mínimas estabelecidas nas ‘Normas de Classificação de Citros’ para Ratio 9,5 e rendimento de suco 45%.

Como o Ratio é função do conteúdo de sólidos solúveis e da acidez, ele pode ser adequado mesmo numa combinação de conteúdo de sólidos solúveis e acidez baixos, como acontece com a laranja Lima.

O estudo, que começou em janeiro de 2017,  estendeu até dezembro de 2017. Ele permitirá a substituição do Ratio pelo Brix, considerando a especificidade da época e origem.

Para maiores informações e para participar do estudo entre em contato com o Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP – Loja 07, EDSED II – fone (11)36433825 ou [email protected]

Autora

Dayane dos Santos Viana – estudante de Química, estagiária do Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP

 

 

 

VEJA TAMBÉM...

Publicidade