Notícias

Notícias

CeasaMinas implanta comércio de quatro hortaliças por quilo

Data2 dezembro 2016

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Desde o dia 28 de novembro, a comercialização de tomate, repolho, moranga híbrida e batata tem sido feita por quilo e não mais por unidade de embalagem, no atacado do entreposto de Contagem da CeasaMinas. A mudança visa garantir mais transparência e confiabilidade à quantidade adquirida pelos compradores, valorizando ao mesmo tempo os produtores rurais que adotam embalagens padronizadas.

A intenção da CeasaMinas é fazer com que todos os hortigranjeiros comercializados no entreposto de Contagem passem a ser comercializados por quilo, até o próximo dia 15 dezembro. Mas para isso acontecer, será necessário fazer novas alterações no painel do Mercado Livre do Produtor (MLP), onde são divulgados diariamente os dados de preços e ofertas.

A CeasaMinas tem disponibilizado aos compradores balanças distribuídas em diversos pontos do Mercado Livre do Produtor (MLP), o principal pavilhão do entreposto de Contagem. Apesar de as balanças ficarem no MLP, elas podem ser usadas pelos compradores de outros pavilhões, que podem, assim, realizar conferência do peso das embalagens. Este tipo de comércio conta com o apoio das associações dos produtores (Aphcemg) e dos comerciantes (ACCeasa) da CeasaMinas, além da Cooperativa dos Produtores de Hortigranjeiros do Estado de Minas Gerais (Coophemg) e da Secretaria de Agricultura Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa/MG).

Para José Antônio Silveira, presidente da Coophemg, a grande vantagem dessa pesagem para o consumidor final é a expectativa de redução nos preços de hortigranjeiros, já que o varejista vai pagar somente por aquele produto que está levando.

Segundo José Antônio, o produtor rural também ganha com a pesagem e a venda por quilo. “A obrigação nossa, como produtor, é embalar os produtos da melhor forma possível. Se eu faço uma prática de comércio correta, eu ganho em credibilidade, em confiança do comprador. E isso pode aumentar as vendas”, diz ele.

Em nota, a Associação Mineira de Supermercados (AMIS), também afirma ser a favor da novidade. “Acreditamos que essa é uma das formas de estabelecermos um modelo justo de comercialização entre produtores e comerciantes”, relata o texto.

De acordo com a Amis, a comercialização por quilo no atacado da CeasaMinas deverá beneficiar também o consumidor final. Isso porque, segundo os supermercadistas, todo aprimoramento que evite perdas e amplie a produtividade é repassado ao consumidor na forma de preços mais baixos e melhor qualidade nos produtos. “O supermercado vai comprar no quilo e vender no quilo. Hoje, o que ocorre é que os supermercados têm que comprar na caixa, muitas vezes sem padronização, e vender no peso. Isso dificulta o ajuste de preços para o consumidor”, afirma a nota da AMIS.

A mudança na forma de vender batata, repolho, moranga híbrida e tomate provocou também uma alteração no painel eletrônico do MLP, onde os preços dessas mercadorias já são divulgados em função do quilo e não mais por unidade de embalagem.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade