Notícias

Notícias

Em plena safra, beterraba tem queda de até 60%

Data29 agosto 2016

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Consumida crua, assada, frita e até em molhos, a beterraba está em plena safra no atacado da CeasaMinas. Com a oferta em alta, o preço médio da hortaliça está 60% menor em relação a abril, quando atingiu seu maior valor em 2016. De 1 a 20 de agosto, o preço médio no atacado ficou em R$ 0,95/kg, frente a R$ 2,46/kg de abril (embalagem de 19 kg).

Nutricionalmente, estudos recentes demonstram que o consumo de beterraba pode melhorar o rendimento do treino físico, além de reduzir o risco de doenças cardiovasculares e vários tipos de câncer. A trajetória de queda começou em maio, quando a beterraba ficou em R$ 1,73/kg; seguida por R$ 1,04/kg em junho e R$ 0,97/kg em julho de 2016. Em relação a meados de 2015, a situação também está mais favorável para o consumidor. O preço médio de julho de 2016 ficou, em relação ao mesmo período de 2015, cerca de 30% menor.

Para o produtor Fábio Costa Turquete, do município de Carandaí, na Região do Campo das Vertentes (MG), a venda direta no campo acaba sendo uma alternativa ao período de preços baixos no atacado da CeasaMinas. “A beterraba tem sido vendida de R$15 a R$ 25, a embalagem com 19 quilos. Para compensar ao produtor, o valor teria que ser de no mínimo a R$ 25”, ressalta Turquete, que comercializa no Mercado Livre do Produtor (MLP) do entreposto de Contagem da CeasaMinas.

É comum a venda direta do campo destinada a compradores do Rio de Janeiro, entre eles beneficiadores de beterraba, que lavam e embalam o produto antes de repassá-lo às redes de varejo. “A beterraba não beneficiada é vendida a R$ 10 na nossa região, a caixa com 19 quilos, o que é vantajoso, já que o produto não tem os custos de lavagem, embalagem e frete”, explica Turquete.

Outro desafio dos agricultores é lidar com o aumento dos custos de produção, tais como energia elétrica, combustível, adubos, mão de obra e defensivos. Para exemplificar, Turquete explica que “há 5 anos, a beterraba vendida a R$ 10 no atacado, por exemplo, dava mais retorno financeiro do que vendida a R$ 20 hoje em dia, por causa dos custos mais altos”.

Já o produtor João Gualberto Machado afirma que também percebeu o impacto dos custos, especialmente do óleo diesel, o qual, segundo ele, representa 30% dos encargos totais de produção.

Ele acredita que em 2015 os preços mais altos acabaram estimulando muitos agricultores a aumentarem a produção, contribuindo para a queda dos valores em 2016. “No ano passado, a beterraba chegou a custar R$ 70 a embalagem com 19 quilos”, explica Machado, que produz em São João Del Rey (MG).

Machado afirma ainda que o desaquecimento da demanda, por conta da queda na renda média do trabalhador, também influenciou o barateamento da beterraba.

Beterraba potencializa treino físico e previne doenças

A beterraba destaca-se pela presença de potássio, manganês, ferro, zinco e vitamina C, além de fibras alimentares.

Alguns estudos recentes têm demonstrado que o consumo de beterraba pode potencializar ainda o rendimento do treino físico, conforme explica a chefe do Departamento de Nutrição da PUC Minas Barreiro, professora Michely Capobiango. 

De acordo com a nutricionista, esse benefício está ligado ao efeito vasodilatador da beterraba, que fornece nitrato, uma importante substância que dá origem ao óxido nítrico (ON). Este último tem efeito vasodilatador, o que favorece o aumento da chegada de sangue aos músculos. “Durante o exercício físico, é necessário um maior fluxo sanguíneo, para que o oxigênio e nutrientes possam chegar mais rapidamente às células musculares, e estas liberarem a energia necessária para o trabalho de contração muscular”, explica.

Michely também ainda destaca como benefícios da beterraba os chamados antioxidantes, presentes naturalmente em frutas e hortaliças. “Dentre estes elementos com efeito antioxidante estão os compostos fenólicos, os quais têm sido relacionados à redução do risco de doenças cardiovasculares, vários tipos de câncer e de desenvolvimento de doenças degenerativas”, completa.

Mito

Um dos mitos relacionados à beterraba refere-se ao seu poder de combate à anemia. A nutricionista esclarece que, apesar de ter ferro na sua composição, a quantidade disponível deste nutriente na beterraba não é suficiente para ser utilizada no combate a anemia. “Existem outras fontes de ferro em alimentos que são mais biodisponíveis, como as carnes que poderiam ser utilizadas com este propósito”.

Vale destacar que, além da polpa, as folhas da beterraba também devem ser utilizadas e consumidas como verduras. Estudos apontam seu valor nutricional com ênfase nos teores de fibras alimentares, minerais, ômega 3 e propriedades antioxidantes associadas aos compostos fenólicos.

Para conferir outros produtos de safra, bem como o Boletim Diário de Preços, dentre outros dados, clique no link Informações de Mercado no site www.ceasaminas.com.br.

Mais informações: 

Departamento de Comunicação CeasaMinas (31) 3399-2011/2012

VEJA TAMBÉM...

Publicidade