Notícias

Notícias

Agricultores familiares de MG participam de dia de campo sobre cultura do alho

Data23 junho 2016

COMPARTILHE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

O interesse pela tecnologia de produção de alho livre de vírus, desenvolvida pela Embrapa Hortaliças (Brasília-DF), reuniu produtores, técnicos da Extensão Rural e estudantes em torno do Dia de Campo da Cultura de Alho, realizado em dose dupla: os municípios de Gouveia e Minas Novas, localizados no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, sediaram nos dias 05 e 07 de abril os respectivos eventos promovidos pelas prefeituras, secretarias municipais de Agricultura e escritórios locais da Emater-MG das duas localidades. 

Em Gouveia, destaque para o comparecimento de um grande número de produtores oriundos de outros municípios, dando um tom regional ao Dia de Campo, que incluiu a implantação de uma unidade de multiplicação de alho livre de vírus, por meio da instalação de um telado. Para o pesquisador Francisco Resende, coordenador do Programa de Melhoramento de Alho, a expressiva presença no evento (cerca de 160 pessoas) pode ser explicada pelo histórico de cultivo com a hortaliça até o início da década de 1990, e que deve ter servido de estímulo aos produtores, principalmente do segmento familiar.

“O plantio de alho no município é avaliado como uma alternativa de geração de renda para a agricultura familiar, só que diferentemente da experiência de cultivo com a variedade Cateto Roxo, em 2005/2006, na primeira intervenção da Embrapa Hortaliças na região, hoje são as cultivares BRS Hozan e Amarante que estão na pauta”, observa Resende, que chama a atenção “para a união de forças formada entre o Sindicato dos Produtores Rurais, o Escritório Local da Emater-MG e a prefeitura para estimular a produção”.

Com relação ao município de Minas Novas o cenário é um pouco diferente. “Estamos começando do zero, mas com boas perspectivas a partir das condições favoráveis de clima e solo”, avaliou o pesquisador, que registra, a exemplo de Gouveia, a iniciativa do Sindicato Rural local na construção de um telado para a instalação de uma unidade de multiplicação de alho-semente das duas cultivares.

Além dos dias de campo nas duas cidades, quando foram abordados temas como cultura do alho, preparo de solo e controle de doenças, a agenda de trabalho incluiu a realização de cursos de capacitação, com foco na formação dos produtores em um conjunto de práticas necessárias para a obtenção de bons resultados no cultivo de alho livre de vírus, e que contou também com a participação do pesquisador Valdir Lourenço Júnior, que destacou a importância da prevenção contra a doença da podridão branca do bulbo (Sclerotium cepivorum), já identificada na região.

A partir desse foco, o pesquisador fez uma série de recomendações sobre os procedimentos que deveriam ser atendidos para evitar a disseminação da doença a outras áreas de produção, seguidas por uma coleta de amostras para avaliar a intensidade da presença do fungo nas zonas de cultivo.

Tecnologia                                                                                  

Plantios realizados com as cultivares BRS Hozan e Amarante mostraram que a produtividade de uma lavoura pode crescer de quatro para 10 toneladas por hectare, o que representa um excelente retorno do investimento realizado, principalmente por parte dos agricultores familiares, responsáveis por cerca de 60% da produção nacional de alho.

VEJA TAMBÉM...

Publicidade